Vida no Mosteiro

Vida no Mosteiro

Ó inefável silêncio no qual habito
Vivo a dialética entre fé e razão
Mergulho nos escritos filosóficos
Dos antigos gregos, romanos até
Os pais da Igreja até os meus dias
Passo pelos tratados profanos
Até mesmo entre os heréticos
Esta contradição a qual acende
A razão e leva a fé traz, que pena,
Consequências políticas intensas
Faço trabalhos materiais e vou aos
Leprosos, mesmo escondido, levar
O pão para nutri-los, seja do corpo
Seja o pão que alimenta a alma
Estes são os momentos da mística
Do coração ser pura fé e o silêncio
O qual se mostra plenamente musical
Mais até do que quando cantamos
Só não tenho respostas a mim mesmo
Vivo na dialética e na retórica, só sinto
A vida ao levar o pão aos demais
Quando sinto minha alma dilacerar
O silêncio me impulsiona a ti, Ó Deus
Afinal, aqui no mosteiro, só tu escutas
Minhas lágrimas e me acompanha
Em minhas torpes tristezas
Só a ti no sublime silêncio
Nem ninguém, nem nada mais

Escrita em: 15/01/2017
©2017 Tiago De Lima Castro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s