Solitude celibatária

Solitude celibatária

alone

Solitude, ó caminho de navegar nos mares
Inescrutáveis do oceano infinito da alma
A solidão permite o diálogo com um outro
Um outro de si mesmo, um duplo de si
Tal diálogo é complexo, pois esse outro
Gosta de questionar o que se faz, mas são
As tertúlias consigo o impulso ao movimento
A solitude do pensar é um elemento ímpar,
Mas a solitude existencial é uma escolha,
Um caminho trilhado, sem valor em si mesmo
A não ser por devaneios delirantes históricos

O celibato não é uma promessa divinal ou
Qualquer exterioridade heterônima imposta
Por elementos exteriores a si mesmo
Uma forma de vida, na qual traz nuances a
Solitude, ambas não são implicadas
O celibato é uma escolha de voltar a si
Não como mergulho em si, mas enquanto
Passar a resistir a todos os desafios somente
Contanto consigo mesmo, decidir não ter a
Quem recorrer, quando chora durante a noite
Pensando nos problemas a serem resolvidos
Decidir a quando sentir-se só, ter somente a si
Enquanto companhia e enquanto diálogo

O difícil é lidar com as carências, ajudar
Os demais a lidar com suas questões internas
Acaba sendo um meio de sentir-se partícipe
De algum elo emocional ou afetivo
Os medievais aprenderam, o confessionário
É a única forma de suportar viver em celibato
Pois ouvir os dramas do outro, é manter algum
Rastro de vida afetiva e relação com o outro
Na verdade, quem confessa faz uma legítima
Caridade a quem escuta, possibilitando-o
A sair de si e envolver-se psiquicamente
Com outras pessoas, tornando-se então
Efetivamente uma pessoa, um humano

A solitude celibatária é um meio tanto
Ríspido de transcender a si mesmo, pois
Somente tendo que suportar sozinho
Todos os desafios, a não ter esperança
De compartilha dos mesmos, tendo
Somente nos próprios ombros sua cruz
Poder carregar…

Os amigos ajudam a dividir os problemas
E lidarem com a problemática do viver,
Não há uma desconexão essencial pois

Há momentos em que se almeja somente
Alguém para segurar as mãos, alguém
Para olhar nos olhos e sentir-se confiante
É aí que emerge o gigante leviatã dessa
Condição tão específica e suis generis
É só com o próprio olhar poder contar
Talvez seja este aprendizado augusto
Que este condição pode me trazer

Escrita em: 03/11/2015
© 2015 Tiago De Lima Castro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s