Nerdices Filosóficas – Dr. Who, a imagem de si e do outro e a dificuldade do perdão

Nerdices Filosóficas

Autor: Tiago de Lima Castro
Revisão: Paulo V. Milreu
Vitrine: Valério Gamer

Na série Dr. Who acompanha-se a trajetória do Doutor, que é um alienígena de Gallifrey com mais de 900 anos e que viaja no tempo e espaço através de TARDIS, sua máquina do tempo. Há um artigo no site apresentando a série com maiores detalhes.

coluna33Uma questão que a série provoca é o problema da identidade pessoal do Doutor. Afinal, mesmo ele tendo mais de 900 anos de idade, ele passou por sucessivas regenerações que propiciaram diferentes corpos ao longo desse tempo. Com tais corpos, surgiam nuances em sua personalidade, em seu paladar e mesmo em alguns hábitos. É como se toda a memória do Doutor – pensando a memória enquanto um continuum total de experiências e percepções interiores e exteriores – fosse encarnando em cada um destes corpos, porém cada corpo apresentando nuances específicos desse todo, mas simultaneamente, os conflitos do personagem são os mesmos, ainda que estes não sejam estáticos na série. Assim, vemos o Doutor caminhando em sua trajetória de solidão e mágoas de um passado que, mesmo sendo ele um Senhor do Tempo, não pode modificar completamente tanto para manter o Universo existente quanto como também se ele soubesse, interiormente, que apagar seu passado seria apagar a si mesmo.

Como se reconhece uma pessoa? Um personagem? Como se forma essa imagem do outro e de si mesmo? No caso do Dr. Who, como compreender o seu reconhecimento mesmo com as mudanças de corpo em suas sucessivas encarnações?

Como eu identifico o outro? Num primeiro momento, através da percepção desse outro pelos sentidos. Sua imagem táctil, visual, odora, auditiva… A presença de uma imagem do outro é que nos permite reconhecermos aquela pessoa. Este conjunto de percepções advindas dos sentidos é sempre multi-sensorial, inclusive pode-se refletir o quanto as redes sociais hoje não são fontes de percepções desse outro.

Essa imagem do outro apresenta ainda mais um aspecto, que sempre desafia a possibilidade de apreender o outro através da linguagem, que é sua memória, o continuum de experiências e percepções externas e internas interpenetrados. O total desse continuum é acessível somente à própria pessoa, pois ela se reconhece através de sua memória. Ela extravasa parte de si através da linguagem, de seu corpo e de todas suas ações. A percepção nossa desse conjunto de atos interpenetrando-se geram a imagem que temos do outro.

Nos momentos em que a pessoa olha a si mesmo, buscando reconhecer-se, também surge uma imagem do si-mesmo. É como se paralisarmos esse movente que somos, em contínua autocriação, para conseguir nos observar. É como um sair de si-mesmo para ver a si. O problema que essa imagem tende a ser uma imagem estática e não movente, advindo o contínuo engano sobre si-mesmo devido a formação de uma imagem estática sobre si-mesmo, e não de uma imagem-movimento, a qual apreenderia o si-mesmo em seu dinamismo e movimento.

Dr. Who desafia a pensar o reconhecimento porque quando um personagem que o conhece o reencontra a imagem advinda dos sentidos traz as experiências anteriores com o Doutor na memória, o que ocorre conosco cotidianamente ao encontrar um conhecido.  Contudo, ocorre que pessoas que conheceram o Doutor em outro corpo o encontrem. Primeiramente, a imagem do Doutor apreendida por esta pessoa é confusa devido à mudança de corpo, mas quando se percebe os atos, a maneira de agir, mesmo com nuances, novamente percebe-se que é o Doutor, tornando a imagem clara novamente. É uma luta que ocorre entre uma imagem estática, calcada no corpo passado, e uma imagem dinâmica que apreenda o novo corpo e os nuances da nova maneira de agir e mesmo assim, essa imagem dinâmica compreende o todo de vivências do personagem com o Doutor.

Isso ocorre com todos ao se aproximar de alguém que não se vê há algum tempo. Podem ter havido transformações comportamentais devido à passagem do tempo, como pode ter havido transformações físicas tanto devido ao tempo, como devido a situações que geram deformações físicas. Primeiramente a luta com aquela imagem estática presente em nossa memória, mas com um contato mais profundo essa imagem do outro se torna uma imagem-movimento que apreende o outro em seu dinamismo.

A série demonstra como tendemos a olhar o outro por uma imagem estática calcada no passado, e não uma imagem que apreenda o movimento que toda pessoa é em si-mesma. Daí advém a grande dificuldade que temos do perdoar…

E, além disso, o Doutor demonstra muitas vezes a dificuldade de se perdoar, pois em certos momentos ele parece olhar a si mesmo também em uma imagem estática de seu passado em Gallifrey, que deve ser explorado no especial de Natal nesse ano (2013). Em quantos momentos olhamos a nós mesmos com uma imagem estática de um passado que passou e não percebemos que nós também somos seres moventes em contínua autocriação? Será que nos perdoamos por nossos próprios erros se não passarmos a ver em nós essa possibilidade de transformação?

Nesse texto se utilizou de conceitos do filósofo francês Henri Bergson para ler o problema que a série provoca, não necessariamente para explicá-lo.

Fontes de aprofundamento:

Ensaio sobre os dados imediatos da consciência, Henri Bergson
Matéria e memória, Henri Bergson
O pensamento e o movente, Henri Bergson

Publicado originalmente em: http://randomcast.com.br/nerdices-filosoficas-dr-who-a-imagem-de-si-e-do-outro-e-a-dificuldade-do-perdao/

© 2013 Tiago de Lima Castro

Anúncios

2 comentários sobre “Nerdices Filosóficas – Dr. Who, a imagem de si e do outro e a dificuldade do perdão

  1. Pingback: Nerdices Filosóficas – Dr. Who: a dialética hegeliana de sua regeneração | Pensamentos, pesquisas e reflexões

  2. Pingback: Dr. Who – O Novo Ciclo de Regenerações: Uma interpretação | Pensamentos, pesquisas e reflexões

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s