Game of Thrones e Maquiavel

Nerdices Filosóficas

Autor: Tiago de Lima Castro
Revisão: Paulo V. Milreu
Vitrine: Valério Gamer

coluna23

Uma das virtudes da série de livros e televisiva Game of Thrones é mostrar a política enquanto um jogo de interesses, onde o que se pensa do indivíduo pode ser mais importante no encadeamento de eventos do que o que ele realmente é. Nela, vemos o jogo político como calcado em aparências espúrias, acordos secretos e estratégias complexas sempre visando algum fim, o qual não é percebido com facilidade na maioria das vezes.

Ned Stark morreu exatamente por não conseguir entrar neste jogo político, agindo através dos valores da verdade, da ética e da honra. Já a sobrevivência dos membros do conselho a tantos reis é o fruto de passarem por cima da ética manipulando as situações.

Vemos no episódio em que Joffrey é atacado pelo povo de Porto Real o quanto é perigoso para o governante ser odiado, enquanto Margaery Tyrell vai tornando-se cada vez mais forte ao ser amada pelo povo.

Na Batalha de Blackwater, o rei Joffrey falha enquanto governante, cabendo a Tyrion Lannister comandar e inspirar os homens, sendo que sem sua presença talvez nem mesmo a chegada de Tywin Lannister pudesse salvar a cidade sem a estratégia de Tyrion. Porém, para o povo, Tyrion é um demônio que manipula Joffrey, provavelmente sendo o culpado pelos absurdos cometidos no reinado deste. O que Tyrion parece ser aos olhos do povo é diferente do que ele é.

Em todo o jogo pelo trono de ferro, vamos vendo que o parecer ser é mais importante que o ser dos indivíduos na política. Pode-se utilizar o termo maquiavélico para pensar a política de Westeros?

Nicolau Maquiavel (1469-1527) é lembrado devido a alcunha de maquiavélico dada aos indivíduos pérfidos, maliciosos, estrategistas que sempre utilizam tudo como meios aos seus fins, afinal “os fins justificam os meios”. Tal frase não fora escrita por Maquiavel em sua obra “O Príncipe”, sendo mais um aforismo que resumiria sua obra, mas não é do autor. Mesmo este aforismo não é justo com relação ao conteúdo de sua obra.

A obra foi escrita no ano de 1513, entre a primavera e o outono daquele ano, dedicada a Lourenço II (1492-1519), potentado da família dos Médicis e duque de Urbino. É uma obra de fácil leitura, mas não tão simples de ser lida sem uma compreensão de seu contexto e da ruptura que ela traz à filosofia política da antiguidade. É imprescindível, inclusive, saber que seu autor era republicano, daí Rousseau dizer, anos mais tarde, que a obra é uma grande paródia da maneira como os reis agem na prática.

Antes desta obra, a política é pensada desde Platão e Aristóteles como algo decorrente da ética, tendo a finalidade de propiciar o bem geral a todos os membros da pólis. O contexto deles era de uma democracia ateniense em franca decadência, mesmo na época em que Sócrates atuou. De certa maneira, suas reflexões surgiam dessa decadência, por isso são fundamentadas na ética como maneira de superar essa decadência. Tal modo de reflexão política perdurou por toda antiguidade até a modernidade, com a obra “O Príncipe”.

Escrita como um compêndio de conselhos de como manter o estado, ela rompe a ligação entre a política e a ética, mas não causando essa ruptura historicamente, já que a obra simplesmente expressa a prática política provavelmente anterior à modernidade.

A grande finalidade do príncipe é manter seu reinado, daí sua moral ser diferente da moral religiosa que busca a salvação do indivíduo. Já a moral do príncipe se constitui de todo o necessário para a manutenção desse estado, utilizando-se de meios como coação e violência se necessário, mas sem exageros. O príncipe precisa se preocupar com os meios utilizados, pois se ele for amado pelo povo, este irá segui-lo e ajuda-lo a manter a coesão do estado; se temido, ainda cooperarão por temor; mas se odiado, lutarão contra ele desarticulando seu governo e o próprio estado. Dessa maneira, Maquiavel se preocupa com os meios, pois o ideal é que o governante seja amado, sendo temido somente se não puder ser amado, mas nunca odiado.

O príncipe necessita saber que há pessoas em volta que desconfiam dele, que almejam seu poder. Suas ações para manutenção do reinado devem contar com isso, e mesmo partir deste princípio. Daí a importância na relação com o povo ser essencial através do parecer ser, mais do que o ser.

Recomendo utilizar estes apontamentos, e a leitura dos artigos indicados, para se aprofundar na obra de Maquiavel, e perceber como a política de Westeros a demonstra em vários aspectos. Mesmo vivendo numa democracia, ainda muitos políticos e partidos agem dessa maneira, sendo necessário percebemos esses processos políticos, principalmente no momento histórico em que vivemos.

Fontes de Aprofundamento

Desmistificando Maquiavel, Angela Birardi e Gláucia Rodrigues Castelani

Maquiavel e a construção da política, Raquel Kritsch

O Príncipe, Maquiavel

Um pensador da ética, Renato Janine Ribeiro

Publicado em: http://randomcast.com.br/nerdices-filosoficas-game-of-thrones-e-maquiavel/

© 2013 Tiago de Lima Castro

Anúncios

2 comentários sobre “Game of Thrones e Maquiavel

  1. Pingback: Nerdices Filosóficas – Ética e Moral: Como surgem no Entretenimento? Parte 1 | Pensamentos, pesquisas e reflexões

  2. Pingback: Nerdices Filosóficas – Filmes e literatura de fantasia, quadrinhos: Por que são tão lidos? | Pensamentos, pesquisas e reflexões

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s