Nerdices Filosóficas – Quem quer ser Herói

Nerdices Filosóficas

Revisão: Juan Villegas
Vitrine: Valério Gamer

Na coluna anterior investigamos o que é o Herói para os gregos. Vamos investigar como o processo educativo dos gregos estava relacionado ao ideal heroico.

Todos nós passamos pela escola, ou estamos passando por ela, ou ainda voltaremos a ela. Quando não nos sentimos atraídos por determinada matéria, começamos a perguntar: Por que estou estudando essa matéria chata? Qual o objetivo de estudar isso? Isso somente não ocorre quando você gosta da matéria ou da aula daquele professor ou professora, ai estudar é até divertido.

Agora, não é muito diferente o ânimo que você tem para compreender complexas regras de RPG? E aprender a jogar melhor no console, no computador? Não é bom ler aquele livro, quadrinho ou mangá que não foi indicado pela escola, mas você não pode esperar para lê-lo? E aquele filme que você não aguenta mais esperar pela estreia, não é bem melhor que assistir àquela aula que você nem sabe o porquê de estar ali?

Os gregos aristocráticos perceberam esse problema. “Como estimular a criança a fazer os exercícios físicos, desenvolver o intelecto, e todo o necessário para ele ser um bom guerreiro e defender a cidade quando necessário?” Afinal, ele sabe que vai morrer naturalmente com o passar do tempo, e já sofre por isso, como todos nós ao percebermos nossa mortalidade, mas como guerreiro, provavelmente a morte chegará mais cedo. Como ter honra com seus companheiros mesmo estando com sua própria vida em jogo? Como ensiná-los que seu destino relaciona-se diretamente à ação dos deuses, sendo que atuam dependendo de suas próprias ações? Voltando à questão inicial, como educá-los a serem guerreiros, apesar de toda a adversidade à condição humana?

Esta é a resposta que colocaram em prática: Através do ato de contar a história dos grandes heróis do passado. A Ilíada e a Odisseia de Homero tinham a função de estimular as crianças, e jovens, a serem como os heróis, pois ao ouvi-las, despertava o desejo de ser como Aquiles (o protótipo do herói grego), Ajax, Odisseu, entre outros. Sabe aquele momento em que você está lendo quadrinhos, um livro ou assistindo um filme e desperta o desejo de ser como aquele personagem incrível? Este é o mesmo desejo que despertava nos jovens gregos.

Deste modo, a sociedade grega gerou poetas como Homero (há muitas discussões sobre sua existência histórica, mas para o grego, Homero simplesmente era sua obra) que ao ser inspirado pelas Musas, compunha os poemas, os quais não eram somente declamados, mas também cantados. Ao mesmo tempo, surgiram os rapsodos, que semelhantes aos bardos medievais, narravam estes poemas utilizando-se da eloquência e do canto de maneira vibrante aos ouvintes.

As obras de Homero não somente tinham a função de despertar nos jovens a busca por aprimorar o corpo e o espírito, mas também exemplificam as minúcias de como ser um herói. Por exemplo, percebia-se que o herói necessita compreender o papel dos deuses em seu destino; ter autocontrole para evitar a hybris (o descontrole de si); ter respeito por parte de seus guerreiros, e toda a areté (virtude) necessária à execução de atos heroicos.

Vejamos o que nos diz Fênix, educador de Aquiles, sobre os objetivos da educação: “Para ambas as coisas: proferir palavras e realizar ações” (Ilíada IX, v. 443).  Realizar ações, já que o herói só é herói quando realiza efetivamente as ações heroicas, que serão cantadas pelos poetas e rapsodos, mas também necessita proferir palavras, tanto para incentivar outros guerreiros e negociar com os inimigos, como aprimorar sua razão de maneira a domar os impulsos, evitando o descontrole de si (hybris), como saber quando se retirar é melhor que permanecer, pois, como adverte Jean-Pierre Vernant, para o grego: “Falar bem é pensar bem”.

Não devemos ver esse processo como uma manipulação, já que o alvo da educação heroica eram os próprios aristocratas. Inclusive, o questionamento desse processo educativo, no início da decadência da democracia ateniense, gerará toda investigação filosófica de Platão.

A educação heroica desencadeou o teatro grego, a educação romana, o ideal do cavaleiro medieval, que une o herói grego à virtude cristã, a narração da vida dos santos na igreja católica, o herói romântico do século XIX, ecoando aos nossos dias.

Pense: O quanto as narrativas heroicas nos influenciam hoje? Reflita também: Por que valorizamos tanto o super-herói, algo além do ser humano, ao invés do herói, que na compreensão grega, é o ser humano em plenitude?

Fontes para aprofundamento

Apontamentos para o Estudo da Areté [Maria A. L. Tsuruda]
Areté e cultura grega antiga: pontos e contrapontos [Gilda N. M. de Barros]
As origens do pensamento grego [Jean-Pierre Vernant]
Felicidade: Dos filósofos pré-socráticos aos contemporâneos [Franklin Leopoldo e Silva]
História da educação na antiguidade [Henri-Irénée Marrou]
Ilíada e Odisséia [Homero]
O paradigma do herói [Gilda N. M. de Barros]
Paidéia: A formação do homem grego [Werner Jaeger]
Portal Graecia Antiqua [Wilson A. Ribeiro Jr.]

 

Publicado originalmente em: http://randomcast.com.br/nerdices-filosoficas-quem-quer-ser-heroi/

© 2013 Tiago de Lima Castro

Anúncios

Um comentário sobre “Nerdices Filosóficas – Quem quer ser Herói

  1. Pingback: Nerdices Filosóficas – Por que Arwen, Highlander, Vampiros, e outros imortais almejam a mortalidade? | Pensamentos, pesquisas e reflexões

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s